quinta-feira, 30 de abril de 2009

Duas horas


Hoje parei.
Apesar de tanta coisa esperando ser feita eu parei.
Interrompi a vida por instantes. Por momentos só. Sentei e contemplei.
Achei um antigo desenho que fiz ainda na infância, bobeira...
Eles eram todos iguais...
Nunca soube desenhar, mas mesmo assim rabiscava.
Nem sei se por obrigação ou por gosto.
Mas fazia.
Imagem extremamente simples e ilógica: dois sóis no céu, muitas nuvens...
uma casinha velha...
chovia.
Minhas míseras pinturas sempre choravam
Duas pessoas em cima de uma montanha e algumas árvores.
Paradas.
Inertes.
Ali.
Eternamente, desde o dia em que eu as coloquei lá.
Não sei mais nada... mas parei pra pensar...
Duas horas!
Duas horas da tarde!
Poderia ser qualquer hora do passado...
Mas eu parei exatamente nas duas horas que sempre demoravam muito...
Voltei sem pesar ao tempo em que o tempo passava devagar e as tardes...
Ah as tardes...
As tardes eram cheias de encantamento e eu acreditava em tudo.
Hoje tudo passa depressa e eu não sinto, não acredito
Essa foi a hora... a mais importante hora...
Lembro-me com saudades das duas horas, era o instante de entregar o espírito ao Pai...
A minha hora...
Não sei bem explicar, mas minhas boas lembranças se remetem sempre às duas horas...
Que não são mais
só existem no relógio
Devia ser a posição do sol que me eternizava
Ou mesmo o vento... ou ainda o pé de tamarindo azedo...
Segurança.
Quando tenho medos de gente grande, lembro me disso.
Quando a confiança e a fé falha...
Ah... trago-a de volta a mente para levantar
Volto atrás e brinco com o mosaico de imagens
Uma após outra... numa velocidade que me desfragmenta!
Árvores, gramas, céu, sol, nuvens...
De tão rápido, parecem até pintura a óleo... borradas...
Recordo-me com saudades de algumas duas horas
São poucas, mas o tempo é meu e tenho sim a capacidade de eternizá-lo
De confrontá-lo com o mínimo de estação cronológica
Com os poucos anos que me é dado
Agora e hoje
Hoje e não sei quando até.
Brincadeiras de criança
Quanto de mim ficou por lá?
Quanto?
Mas por hoje são só às duas horas
Essas duas mesmo que me fazem mais humano.
Humano imódico humano.
Duas...
Duas horas...


Lariucci

6 comentários:

  1. Olá!
    Em fevereiro, véspera de eu viajar de férias, fiz um selinho em homenagem aos amigos blogueiros, aos seguidores, aos blogs que sigo.
    Fiz porque amo selos e eles são a melhor expressão de carinho aqui na blogosfera.
    O seu é um destes!
    Não só isso! É também de me fazer sempre presente para que vocês saibam que tem sempre alguém esperando ansiosamente as suas postagens...
    Por favor, vá até ao Orgulho de Ser, pegue o selinho e rebeba-o com muito carinho.
    A postagem é a Selo Orgulho de Ser - Parte II.
    Espero que goste!
    Grande beijo e um excelente final de semana!
    Nade, do Orgulho de Ser.

    ResponderExcluir
  2. Oh, Admirável e Fabuloso Amigo:
    O que escreveu, é lindo...muito...!
    Duas horas apenas que suportam o mundo. O seu mundo de outrora e que hoje, gigantemente, recorda e lhe entrega imensa significação.
    Fantástico.
    Adorei.

    Abraço de um respeito enorme...
    Parabéns.

    pena

    Obrigado pela simpática visita.
    Bem-Haja, talentoso amigo.

    ResponderExcluir
  3. Oh, Fabuloso Amigo:
    Agradeço a sua presença no meu blog.
    Penso que, como referiu, o meu heterónimo, P.P. as suas duas horas são significativas de um enorme sentir da sua vida passada e, que, recorda, na sua interioridade fabulosa.
    Gigante!

    Abraço amigo.
    Com respeito e estima sinceras e sentidas.
    Agradecido...

    pena/P.P.

    ResponderExcluir
  4. Tempo amigo, seja legal, conto contigo: duas horas.

    Estive por aqui.

    ResponderExcluir
  5. Imagen y texto son excelentes combinados. Felicidades!
    http://translate.google.com/translate?js=n&prev=_t&hl=ro&ie=UTF-8&u=www.geaninacodita.blogspot.com%0D%0A&sl=ro&tl=es&history_state0=ro|es|Imaginea%2520%25C5%259Fi%2520textul%2520sunt%2520excelent%2520%25C3%25AEmbinate.%2520Felicit%25C4%2583ri!%2520%250A%250A

    ResponderExcluir
  6. Edson,
    Que lindo escrito! Reparou que sempre buscamos sentimentos de infancia quando nos sentimos meio perdidos, inseguros ou tristes?
    Porque ha momentos que marcam e que deixam dentro de nos momentos que jamais vamos esquecer.
    Muito lindo e profundo seu escrito. Os desenhos de crianca dizem muito...fiquei pensando nesses seus "dois sois"... me lembrou a musica AQUARELA do Toquinho, que transcrevo aqui:

    "Numa folha qualquer
    Eu desenho um sol amarelo
    E com cinco ou seis retas
    É fácil fazer um castelo...

    Corro o lápis em torno
    Da mão e me dou uma luva
    E se faço chover
    Com dois riscos
    Tenho um guarda-chuva...

    Se um pinguinho de tinta
    Cai num pedacinho
    Azul do papel
    Num instante imagino
    Uma linda gaivota
    A voar no céu...

    Vai voando
    Contornando a imensa
    Curva Norte e Sul
    Vou com ela
    Viajando Havaí
    Pequim ou Istambul
    Pinto um barco a vela
    Branco navegando
    É tanto céu e mar
    Num beijo azul...

    Entre as nuvens
    Vem surgindo um lindo
    Avião rosa e grená
    Tudo em volta colorindo
    Com suas luzes a piscar...

    Basta imaginar e ele está
    Partindo, sereno e lindo
    Se a gente quiser
    Ele vai pousar...

    Numa folha qualquer
    Eu desenho um navio
    De partida
    Com alguns bons amigos
    Bebendo de bem com a vida...

    De uma América a outra
    Eu consigo passar num segundo
    Giro um simples compasso
    E num círculo eu faço o mundo...

    Um menino caminha
    E caminhando chega no muro
    E ali logo em frente
    A esperar pela gente
    O futuro está...

    E o futuro é uma astronave
    Que tentamos pilotar
    Não tem tempo, nem piedade
    Nem tem hora de chegar
    Sem pedir licença
    Muda a nossa vida
    E depois convida
    A rir ou chorar...

    Nessa estrada não nos cabe
    Conhecer ou ver o que virá
    O fim dela ninguém sabe
    Bem ao certo onde vai dar
    Vamos todos
    Numa linda passarela
    De uma aquarela
    Que um dia enfim
    Descolorirá...

    Numa folha qualquer
    Eu desenho um sol amarelo
    (Que descolorirá!)
    E com cinco ou seis retas
    É fácil fazer um castelo
    (Que descolorirá!)
    Giro um simples compasso
    Num círculo eu faço
    O mundo
    (Que descolorirá!)..."

    Um beijo carinhoso
    MARY

    ResponderExcluir